Buscar
  • Atelier Bruno Portella

Aprenda a precificar a sua arte

Atualizado: 30 de Jun de 2019

16 itens que vão acabar com o seu problema de precificação da sua arte. Cruze 2 ou 3 deles e você chegará num ótimo preço para os seus trabalhos.


Precificação de obra de arte é algo bem subjetivo porém muito embasado no valor que o artista agrega à história da arte ou ao investidor. Fique ligado nesses 16 itens de precificação que você não vai errar nunca mais.


1 - Valor que o artista e sua obra tem para a história da arte.

Este ítem está aqui pra te fazer entender que terá de trabalhar muito para que este item comece a fazer diferença nos seus preços. Ele geralmente vai ter mais impacto na carreira de quem já tem uma carreira sólida e é mais aplicado para reajustar os preços. Sempre para cima.


2 - Mercado de artistas de mesmo nível que o seu. (Benchmark)

Nada mais é do que pesquisa de mercado. Identifique artistas amigos ou próximos e que estejam no mesmo nivel de carreira que você e veja por quanto estão conseguindo vender suas obras.


3 - Quanto você gostaria de ganhar por hora de trabalho.

Esta é uma forma um pouco limitada de precificar seu trabalho mas serve bem como base. É limitada pois as sua horas são finitas o que estabelece virtualmente um teto para os seus ganhos.


4 - Quanto você quer ganhar por metro quadrado.

Este é uma forma de cálculo bastante utilizada pelo mercado, principalmente para trabalhos de grandes dimensões. É o método que eu utilizo atualmente. (Largura X Altura X Valor do Quadrado)


5 - Quanto você quer ganhar por metro linear.

Esta é outra forma bem legal de precificar e evita que trabalhos pequenos fiquem muito baratos e que trabalhos grandes fiquem muito caros. [(Largura + Altura) X Valor do Metro Linear]


6 - Dificuldade da sua técnica

Este é um fator usado para encarecer um baratear o preço. Sé uma técnica apuradíssima onde você leva 10 horas pra pintar uma pequena obra, isso pode fazer com que aumente um pouco o valor das suas obras. Se é uma técnica que lhe permite pintar um abstrato em 30 minutos, isso pode fazer com que você possa abaixar um pouco o seu preço para que saia mais vendas.


7 - Custo do material

Mármore, pigmentos importados, canvas de linho, folhas de ouro, amálgamas caros de metais, etc. Estes tipos de materiais dispendiosos tem de ser levamos em conta na sua preficicação. Eu sugiro que o seu custo com materiais não passe de 10% do valor de venda da obra original e 30% do valor de venda das reproduções.


8 - Maturidade da sua técnica e conceito.

Quanto mais você evolui técnicamente e conceitualmente como artista, mais poderá cobrar pelos seus trabalhos. Sempre invista em você e no seu crescimento pessoal. Este é o investimento com maior retorno.


9 - Percepção de continuidade da sua carreira

A percepção de que você é uma artista sério, profissional, e que sempre fará um trabalho cada vez melhor é um dos fatores que vai elevar o preço dos seus trabalhos e fará mais investidores tomarem a decisão de investir na sua arte. Seu sucesso não virá das suas vitórias e nem o seu fracasso das suas derrotas. Seu sucesso virá da sua constância e persistência.


10 - Percepção que a sua obra é um investimento

Que escolha tem um investidor ao se deparar com um investimento que só vai se valorizar? Uma só: comprar-lo! Dedique-se a todo custo a valorizar a sua marca e as obras que você já vendeu. Isso trará ao mercado a percepção que você é um artista rentável e então mais investidores virão.


11 - Impostos

Tenha sempre em mente os impostos que você terá de pagar em cada venda. Você além de artista é também um empresário e empresário bom sempre paga suas obrigações em dia.


12 - Taxas de cartões e comissões

Cartões de créditos e comissões de galerias. Este valores podem variar de 15% a 50%. Quanto maior a comissão, mais vendas este seu parceiro tem que te trazer.


13 - Nunca flutue o seu preço

Ao chegar num valor base para os seus trabalhos, seja fiel a ele. Não fique variando o valor cobrado pois isto confunde o mercado atrapalhando as suas vendas. Se está difícil de vender não faça promoção e nem abaixe o preço. Seja apenas mais agressivo na negociação e se empenhe mais no seu mkt.


14 - Mesmo preço em todos os seus canais de venda

Preços diferentes entre os seus canais de venda gera concorrência entre eles e uma consequente falta de interesse em te representar. Não importa que a galeria "tal" tem 50% de comissão e a plataforma virtual "tal" pegue 20%. O seu preço final tem que ser igual em todos.


15 - Busque ser competitivo

Não me refiro a preço aqui. Ser mais competitivo é se dedicar ao máximo para ser cada vez mais relevante como artista. Desse jeito você se torna mais atrativo e consequentemente ganha mais competitividade.


16 - Justifique seus preços com fatos

Prêmios, demanda, técnica, relevância, lugares que expôs, etc. Sempre determine ou suba o preço se tiver fatos que suportem estes novos valores.


Entrevista para o programa "OK Pessoal" do SBT sobre a minha carreira e o mercado de arte.

Dica:

Fotos bem tiradas de você atuando no mercado artístico, produzindo ou dando entrevistas sempre ajudarão a justificar o seu preço ou a subi-lo.


64 visualizações